Scuola Máigica
Escola Mágica | Blog

Zaburro

Alimentaçon saudable  

Mirandês:
ZABURRO: milho menudo

L milho maçaroca ou milho gordo, bieno d’América pa l’Ouropa ne l seclo XVI, portanto, solo apuis de ls çcubrimientos. Cumo ye mui eisigente an auga, ne l Praino Mirandés, la sue cultura nunca passou d’alguns pies nua huorta!

L milho menudo (sorghum), mui pouco eisigente an auga, dá-se por to l mundo, i ye, l quinto cereal mais produzido ne l planeta. Ye tamien conhecido puls nomes: sórgo, milho burmeilho, milho branco, milho sacarino, milho de ls bardeiros… i tamien por Zaburro.

Português:
ZABURRO: milho miúdo

O milho maçaroca ou milho grosso, veio da América para a Europa no século XVI, portanto, apenas depois dos descobrimentos. Como é muito exigente em água, no Planalto Mirandês, a sua cultura nunca passou de alguns pés numa horta!

O milho miúdo (sorghum), muito pouco exigente em água, dá-se em todo o mundo, e é, o quinto cereal mais produzido no planeta. É também conhecido pelos nomes: sôrgo, milho vermelho, milho branco, milho sacarino, milho das vassouras… e também por Zaburro.

ZABURRO: milho menudo

L milho maçaroca ou milho gordo, bieno d’América pa l’Ouropa ne l seclo XVI, portanto, solo apuis de ls çcubrimientos. Cumo ye mui eisigente an auga, ne l Praino Mirandés, la sue cultura nunca passou d’alguns pies nua huorta!

L milho menudo (sorghum), mui pouco eisigente an auga, dá-se por to l mundo, i ye, l quinto cereal mais produzido ne l planeta. Ye tamien conhecido puls nomes: sórgo, milho burmeilho, milho branco, milho sacarino, milho de ls bardeiros… i tamien por Zaburro.

Hai quien diga que l nome Zaburro tenerá a ber cun la sue quelor, mas l más cierto ye que tenga a ber cul sabor de l pan que se fazie de la sue farina, que serie un pan cun malo sabor. Hai decumientos q’atéstan que por buolta de l seclo X, era un pan mui comido puls galhegos. Mie mai dezie que quando era garota, se lhembraba d’acrecentáren un pouco de farina de zaburro a la farina de l centeno, q’era pa que l pan quedasse más branco i mais lhiebedo.

Para tirar la casca al zaburro, bota-se l grano andrento dun pilo (piedra grande i redonda cun un buraco an riba) i apuis batie-se cun palo gordo a que chamában pilon.

An mirandés hai tamien la spresson “nien tanto ser zaburriado”, que ten l significado de: ser batido, pisado, ser rebeixado, ser molido.

Cumo esse milho era batido nun pilo, dente tenerá benido l berbo mirandés ‘zaburriar’: bater, maltratar.

Na Tierra de Miranda yá solo s’usa esse milho pa fazer bardeiros, ou anton para dar al ganado. Mas datrás, subretodo n’Eidade Média, inda s’ousaba muito para fazer pan. Cumo nun quedaba mui buono, misturaba-se la farina cun la de centeno i daba un pan a que se le chamaba ‘un meado’. Mie mai, quando amassaba ua fornada de pan trigo i la massa quedaba buona, dezie: “bai deiqui a salir un meado!”.

I sirbe esta lhiteratura para bos dezir, q’hoije pula manhanica cedo, indo a caras al Naso, tirei este retratico, i fui cumo ua anjeçon que m’antrou pulas benas i fui dreita al celebro cumo ua centeilha, adonde se cruzórun muitas cuontas de zaburriar, misturadas cun outras tantas cuontas de pan…

 

 

Português:
ZABURRO: milho miúdo

O milho maçaroca ou milho grosso, veio da América para a Europa no século XVI, portanto, apenas depois dos descobrimentos. Como é muito exigente em água, no Planalto Mirandês, a sua cultura nunca passou de alguns pés numa horta!

O milho miúdo (sorghum), muito pouco exigente em água, dá-se em todo o mundo, e é, o quinto cereal mais produzido no planeta. É também conhecido pelos nomes: sôrgo, milho vermelho, milho branco, milho sacarino, milho das vassouras… e também por Zaburro.

Há quem diga que o nome Zaburro terá a ver com a sua cor, mas o mais certo é que tenha a ver com o sabor do pão que se fazia da sue farinha, que seria um pão com mau sabor. Há documentos que atestam que por volta do século X, era um pão muito comido pelos galegos. A minha mãe dizia que quando era miúda, se lembrava de acrescentarem um pouco de farinha de zaburro à farinha de centeio, que era para que o pão ficasse más branco e mais levezinho.

Para tirar a casca ao zaburro, colocava-se o grão dentro de um pio (pedra grande e redonda com um buraco em cima) e depois batia-se com um pau grosso a que chamavam pilão.

Em língua mirandesa há também a expressão “nem tanto ser zaburriado”, que tem o significado de: ser batido, pisado, ser rebaixado, ser moído. Como esse milho era batido num pio, daí terá vindo o verbo mirandês ‘zaburriar’: bater, maltratar.

Na Terra de Miranda apenas se usa esse milho para fazer vassouros, ou então para dar ao gado. Mas antigamente, sobretudo na Idade Média, ainda se usava muito para fazer pão. Como não ficava muito bom, misturava-se a farinha com a de centeio e dava um pão a que lhe chamavam ‘um meado’. A minha mãe, quando amassava uma fornada de pão trigo e a massa ficava boa, dizia: “vai daqui a sair um meado!”.

E serve esta literatura para vos dizer, que hoje pela manhazinha cedo, indo em direção ao Naso, tirei esta foto, e foi como uma injeção que me entrou pelas veias e foi direita ao cérebro como um relâmpago, onde se entrecruzaram muitas histórias de zaburriar, misturadas com outras tantas histórias de pão.

 

Ler Mais
Partilhar no facebook