Scuola Máigica
Escola Mágica | Blog

LHIENDA DE L NINO JASUS DE LA CARTOLICA

Eiducaçon  

Mandaba ne l mundo d’anton, l “Grande Rei Sol”, Luís XIV de Fráncia i Nabarra, l monarca q’habie de reinar mais anhos de to ls tiempos. An Pertual, Don Juan V l “Magnánimo”, acababa de suceder a Don Pedro II l “Pacífico”. An Roma mandaba l ducentésimo quadragésimo terceiro Papa, Clemente XI, i an Miranda de l Douro bibie l sou décimo nono bispo, Don Juan Franco d’Olibeira. Carlos II, l “Anfeitiçado”, q’apesar de ser un mentecapto de la cunsangrinidade fui rei de Spanha i de l sou grande ampério d’alén mar, morrie-se ne l anho de 1700 sien deixar hardeiros. Acabában-se assi an Spanha ls reinados de la dinastie de ls Habsburgos de la casa d’Áustria i ampeçában ls reinados de la dinastie de ls Borbones de la casa de Fráncia. Cumo las mudanças an mandos tan amportantes nunca se fázen sien peleias, antre 1701 i 1714 la guerra de la Sucesson alhastrou por to l’Ouropa. Purmeiro Pertual apuiou la Fráncia i ls Borbones, mas apuis assinemos l tratado de Methuen i passemos a apuiar l’Anglaterra i ls Habsburgos. Resultado desta mudança: guerra cun Spanha i Fráncia. I siempre q’hai guerra antre Pertual i Spanha, ls purmeiros a lhebar na cabeça son siempre ls mirandeses.

Ua de las más amportantes praças militares raianas, Miranda de l Douro, fui circada i sitiada pulas tropas castelhanas a 11 de márcio de 1711. Ls dies éran cada beç más penosos i custosos d’aguantar. Andrento las muralhas acabórun-se las probisiones, l’auga ampeçou a scassear i a tener cada beç más mala culidade. Muitas malinas ampeçórun a alhastrar, ls refuorços de las tropas pertuesas nun chegában, l pobo antrou an zánimo total. La muorte i l diabro tomórun cuonta de la cidade, mas desta beç Dius nun se squeciu de Miranda. Para benir an sou aussílio, anquando abaixaba pula rebalina dun raio de sol, fizo-se Nino Jasus i çfarçou-se cun aldraijes de fidalgo cabalheiro. Assi q’aterrou, ampeçou lhougo a correr pulas muralhas i pulas rues tal un pelubrino d’aire, anquanto gritaba:

- A eilhes, a eilhes. Ánimo balientes mirandeses. Ounidos scamugimos spanholes i diabros. Nós somos más fuortes q’eilhes: arriba mirandeses, arriba Miranda…

A soutrodie yá belzebu salie a la rue pa l’atalancar ls caminos, mas l Nino era mais guicho, i a cada hora demudaba la quelor i ls aldraiges para anganhar l demónho: berde, burmeilho, amarielho i dourado; cun capa d’honras, bestido de bispo, de fidalgo, general i suldado, anquanto gritaba por to lhado:

- A eilhes, a eilhes. Ánimo balientes mirandeses. Ounidos scamugimos spanholes i diabros. Nós somos más fuortes q’eilhes: arriba mirandeses, arriba Miranda…

I l ánimo tomou outra beç cuonta de Miranda, i un eisército de mirandesas i mirandeses saliu de sues casas armados cun fouces i gadanhas, choupas i spingardas, ferragachos i artimanhas, anquanto gritában:

- A eilhes, a eilhes. Ánimo balientes mirandeses. Ounidos scamugimos spanholes i diabros. Nós somos más fuortes q’eilhes: arriba mirandeses, arriba Miranda…

I a la fin de siete dies i siete nuites, al quemando de la boç de l brabo Nino, l pobo de Miranda scamugiu la muorte, ls spanholes i ls belzebus. I ls refuorços de las tropas pertuesas chegórun. Miranda staba salba: MILAGRE.

Cumprida la sue mission, l Nino Jasus chubiu-se ne l purmeiro raio de sol de l’alborada até al cielo. Nunca más naide lo tornou a ber.

Mas l pobo de Miranda, que nunca soube bibir sien honra nien sien gratidon, amanhou un altar ambidraçado na sue Sé, i andrento puso l’eimaige que mandou fazer al sou brabo Nino Jasus. I bestiu-lo cun ls más galanos fatos que soubírun fazer: berdes i burmeilhos, amarielhos i dourado; capa d’honras, bestimienta de bispo, fidalgo, general i suldado…

Pa que pulos seclos de ls seclos, nunca l mundo se squeça de la balentie daquel Nino q’agora ye de Miranda.

I más de cien anhos apuis, alguien l’oufereciu ua cartolica negra pa fazer la sue cabecica más burguesa. I to ls anhos sale an procisson, lhebado an ombros pu ls ninos de coraçon.

I ye esta la bielha lhienda que cuonta l milagre de l Nino Jasus de la Cartolica: quien la sabe que la cuonte i quien nó, que la daprenda.

 

Carlos Ferreira, 2019

LENDA DO MENINO JESUS DA CARTOLINHA

Mandava no mundo de então, o “Grande Rei Sol”, Luís XIV de França e Navarra, o monarca que havia de reinar mais anos de todos os tempos. Em Portugal, Dom João V o “Magnânimo”, acabava de suceder a Dom Pedro II o “Pacífico”. Em Roma mandava o ducentésimo quadragésimo terceiro Papa, Clemente XI, e em Miranda do Douro vivia o seu décimo nono bispo, Dom João Franco de Oliveira. Carlos II, o “Enfeitiçado”, que apesar de ser um mentecapto da consanguinidade foi rei de Espanha e do seu grande império de além mar, morria no ano de 1700 sem deixar herdeiros. Acabavam-se assim em Espanha os reinados da dinastia dos Habsburgos da casa de Áustria e começavam os reinados da dinastia dos Borbons da casa de França. Como as mudanças em governos tão importantes nunca se fazem sem lutas, entre 1701 e 1714 a guerra da Sucessão alastrou por toda a Europa. Primeiro Portugal apoiou a França e os Borbons, mas depois assinamos o tratado de Methuen e passamos a apoiar a Inglaterra e os Habsburgos. Resultado desta mudança: guerra com a Espanha e França. E sempre que há guerra entre Portugal e Espanha, os primeiros a levar na cabeça são sempre os mirandeses.

Uma das mais importantes praças militares raianas, Miranda do Douro, foi cercada e sitiada pelas tropas castelhanas a 11 de março de 1711. Os dias eram cada vez mais penosos e difíceis de aguentar. Dentro das muralhas acabaram-se as provisões, a água começou a escassear e a ficar cada vez com pior qualidade. Muitas doenças começaram a alastrar, os reforços das tropas portuguesas não chegavam, o povo entrou em desânimo total. A morte e o diabo tomaram conta da cidade, mas desta vez Deus não se esqueceu de Miranda. Para vir em seu auxílio, enquanto descia pela rampa de um raio de sol, fez-se Menino Jesus e disfarçou-se com roupas de fidalgo cavalheiro. Assim que aterrou, começou logo a correr pelas muralhas e pelas ruas tal um vendaval de vento, enquanto gritava:

- A eles, a eles. Ânimo valentes mirandeses. Unidos expulsamos espanhóis e diabos. Nós somos mais fortes que eles: força mirandeses, força Miranda…

No dia seguinte já belzebu saía à rua para lhe barrar os caminhos, mas o Menino era mais esperto, e a cada hora mudava a cor das vestimentas para enganar o demónio: verde, vermelho, amarelo e dourado; com capa de honras, vestido de bispo, de fidalgo, general e soldado, enquanto gritava por todo o lado:

- A eles, a eles. Ânimo valentes mirandeses. Unidos expulsamos espanhóis e diabos. Nós somos mais fortes que eles: força mirandeses, força Miranda…

E o ânimo tomou novamente conta de Miranda, e um exército de mirandesas e mirandeses saiu de suas casas armados com foices e gadanhas, varapaus e espingardas, ferros e artimanhas, enquanto gritavam:

- A eles, a eles. Ânimo valentes mirandeses. Unidos expulsamos espanhóis e diabos. Nós somos mais fortes que eles: força mirandeses, força Miranda…

E ao fim de sete dias e sete noites, ao comando da voz do bravo Menino, o povo de Miranda expulsou a morte, os espanhóis e os belzebus. E os reforços das tropas portuguesas chegaram: Miranda estava salva: MILAGRE.

Comprida a sua missão, o Menino Jesus subiu pelo primeiro raio de sol da alvorada até ao céu. Nunca mais ninguém o voltou a ver!

Mas o povo de Miranda, que nunca soube viver sem honra nem sem gratidão, preparou um altar envidraçado na sua Sé, e dentro colocou a imagem que mandou fazer ao seu bravo Menino Jesus. E vestiu-o com os mais belos fatos que souberam fazer: verdes e vermelhos, amarelos e dourado; capa de honras, vestes de bispo, fidalgo, general e soldado… Para que pelos séculos dos séculos, nunca o mundo se esqueça da valentia daquele Menino, que agora é de Miranda.

E mais de cem anos depois, alguém lhe ofereceu uma cartolinha preta para fazer a sue cabecinha mais burguesa. E todos os anos sai em procissão, levado em ombros pelos meninos de coração.

E é esta a velha lenda que conta o milagre do Menino Jesus da Cartolinha: quem a sabe que a conte e quem não, que a aprenda.

 

Ler Mais
Partilhar no facebook